Distribuição dos sectores industriais em Fortaleza

Setor primário     

A agricultura é o setor de menor relevância econômica de Fortaleza. No município, a população é concentrada em totalidade em área urbana, o que demonstra, portanto, a insignificância da agricultura para a economia municipal. Devido ao desenvolvimento urbano da cidade, em Fortaleza não há forte agricultura tampouco terras para o plantio. Se houve agricultura no passado, muitos dos agricultores e pecuaristas se mudaram para outros municípios da região metropolitana.

 

Setor secundário  

A indústria é o segundo setor mais relevante para a economia do município. Seu distrito industrial, na Grande Fortaleza, dividido em três polos, conta com mais de cem empresas instaladas de setores têxteis, metalurgia e mecânica, material elétrico, químico e construção civil, empregando mais de 16 mil pessoas de forma direta. Outro polo que fomenta a economia fortalezense é o Complexo Industrial do Pecém, que conta com empresas de grande porte dos setores metalmecânico, de construção civil e energia, cujo maior expoente é a Companhia Siderúrgica do Pecém, em operação, planejada para ser de grande competitividade no cenário internacional.

 

A produção de vestuário e calçados, couros e peles e alimentos, notadamente derivados do trigo, além da extração de minerais, são os segmentos industriais mais fortes da capital.

 

Setor terciário      

Comércio e serviço, enquanto maiores geradores de riquezas da economia de Fortaleza. A cidade possui robustos centros de compras, além de abrigar dois dos dez maiores shopping centers do país, o Iguatemi Fortaleza o RioMar Shopping. Fortaleza conta com 15 centros comerciais e é a sexta capital brasileira em total de área bruta comercial locável. Contudo, a principal área de compras é historicamente o Centro da cidade, que reúne o maior número de estabelecimentos e é responsável pelo maior fluxo de negócios. Destaca-se também a movimentada área comercial do bairro Montese. Regiões periféricas do município têm se desenvolvido comercialmente e assistido à transformação de bairros predominantemente residenciais em bairros comerciais, sobretudo em decorrência da independência dos setores produtivos dessas regiões e da consequente descentralização econômica.

 

Atividade econômica: extrativa mineral, indústria de transformação, serviços industriais de utilidade pública, construção civil, comércio, serviços, administração pública e agropecuária.

 

Estrutura da economia (2018)

– Agropecuária: R$ 65 milhões

– Indústria: R$ 7.995 milhões

-Serviços (exceto Administração, defesa, educação e saúde públicas e seguridade social): R$ 40.349 milhões

– Administração, defesa, educação e saúde públicas e seguridade social: R$ 9.181 milhões

 

Fontes: